.::Sobre mim::.

Preciso te contar como sou... para que me conheças um pouco melhor. Sou uma pessoa séria, respeitosa e não discuto limites de outras pessoas - a menos que me pisem o calo. Adoro a natureza, pássaros, verde, flores - e curto muito ficar ouvindo música e amar. Tenho medo da estrada do nada, só de ida, sem volta! Acho que a vida é meio estranha... me distancia sempre dos que amo. Gosto de cozinhar e inventar coisas, sou muito criativa. Pinto telas: óleo-sobre-tela e prefiro as paisagens. Meu fraco são sandálias altas... Uso botas com freqüência, ando descalça pelo gramado. Nadar é forte, faço quase todo dia. Por vezes, acordo taciturna e melancólica mas... fazer o que? Creio que isso vem dos humanos mesmo! Tenho sonhos, muitos! Ficaria horas apenas olhando você. Sou ciumenta. Agora, me fale um pouco do que gosta... para eu sonhar mais alto.
Anna Paes Leme Jota
(Melhor visualização 1024x768)



.::Estou assim::.

Um tanto cansada mas, FELIZ!!!



.::Amigos::.



.::Link-me::.







.::Meu Award::.







.::Recadinhos::.





.::Música::.


.::Licença::.

Creative Commons License
Estas obras estão licenciadas sob uma Licença Creative Commons.



.::Calendário::.





.::Relógio::.





.::Já Passou::.



.::On Line desde::.




.::Visitantes::.



.::Presentinhos::.


Ame e seja feliz!!!

Eu Amo a Vida!!!







.::Créditos::.



.::Outras Coisinhas::.



.::Layout por::.



Da Janela de Meu quarto

Anna Paes

Lá, da janela de meu quarto
Vislumbro ao longe a cidade
Luzes e reflexos,
O cerrado margeando a casa

E, mais pareço espectro
Ora tão feliz por amor,
por os ter em mente, ainda!
 E, as lembranças...
Tais enlouquecem,
Se muito  as revivo.

Choro!

Um choro tão agudo, tão íntimo!
As lágrimas deslizam suaves
quais gotas de orvalho,
 na pétala da rosa.

Mas que rosa?

Ora, por amar há tanta dor
Que não sei se ao final
A recompensa é fatal!

Mas, um amor ao nascer
E, só nasce, como o dizes -
Por amor, (e há quem entenda?), só faz sofrer,

 Dor de amor é tão doída!
Melhor não a ter!

16/07/2013
Brasília - DF

Anna Paes
Código do texto: T4394630 
Classificação de conteúdo: seguro

 

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite nome do autor e
link da obra original, não reproduzir sem licença). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Escrito por Anna Paes às 08:50 PM
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Um vazio...........

Certezas
Anna Paes
 
Alma minha, vagará triste e confusa
Voará entre as nuvens
Ou se cobrirá de saudade?
 A despedida se dará a tarde?
 
 
Levarás as flores e os perfumes
dos jardins cultivados?
Sem abraços tardios, romperemos
Carne - essência.
 
Com certeza a matéria
em pó se esvanecerá!
Só um grito ecoará entre  as nuvens:
- Liberdade!
 
Alma minha, só tu resitirás ao tempo
Ao eterno clique do Pai
Indo e vindo entre matérias
 
Estrelando em outro  palco,
 Alma minha, roupagem diversa te  cobrirá!
E, nos palcos d'outra era - estrelarás!
 
Anna Paes
18/02/2012
Brasilia - DF 12h58
.........................................

Não faz sentido!
Anna Paes

Nossas vidas
folhas de cetim,
amareladas,
amarrotadas pelo tempo
mesmo em desalinho,
desacordo total:
continuam templo!

Anna Paes
02/02/2012-21hs
Brasília - DF


Escrito por Anna Paes às 07:01 PM
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




As Saudades de Lauro Kisielewicz

Saudade... Vazio
Lauro Kisielewicz  =  ( 14/Mai/2.005 )

De uma hora para outra,
você sente algo estranho,
um vazio tamanho
que até se sente meio ôco...
sentindo-se com um toco
cuja madeira toda
os cupins devoraram
e só preservaram
a casca...
nada mais!
Acompanhado
de uma dor indolor,
fica em tua mente
a certeza do vazio
que ocupa o teu interior
de repente, sem calor...
onde vagueiam lembranças
de um grande amor...
ricocheteando na casca
embalagem do teu ser
repleto de nada,
ocupado pela saudade,
imenso espaço vazio
que restou em teu ser,
vazio...
 
* * * * *
 
Saudade; Vá Embora!
Lauro Kisielewicz  =  ( 19/FEV/2.005 )

No passar desses anos,
estes verbos são conjugados
apenas na primeira pessoa...
Eu amei,
Eu amaria,
Eu amo,
Eu amarei...
Só não percebia o quanto
eu sofri,
eu sofreria,
eu sofro,
mas um coisa eu sei:
Eu não mais sofrerei.
Pois não quero continuar
a penar o que penei,
a amar como te amei,
pois em trocar do que dei,
me deste o imenso vazio
de uma profunda saudade
que nunca se esvai...
e que sempre vai
se acumulando...
Mas a partir de agora,
que a saudade vá embora
como você também partiu,
e se hoje você chora...
talvez seja porque pediu...
 
* * * * *

SAUDADE DE VOCÊ
Lauro Kisielewicz  =  ( 23/08/2003 )

E de repente, acontece
alguém que amamos,
desaparece...
Sua presença,
suas palavras,
seus carinhos,
tudo passou...
sim...
passar de fato passou,
mas não acabou
e não vai acabar
certamente que não,
posto que no coração,
que bate e palpita,
vigorosamente se agita,
há uma forte vibração
impregnada de emoção
e de lembranças,
dulcíssimas lembranças
de algo que ficou para trás
mas que permanece,
não se desvanece,
não se esvai
apenas oscila
na intensidade
de uma agradável
saudade...
de você!


* * * * *
 
Saudade Preservada
Lauro Kisielewicz  =  ( 14/Nov/2.004 )

Ah! Como ‘salta’ meu coração,
impulsionado por forte emoção
do vendaval de lembranças
dos meus tempos de criança
da bem afastada infância
de empinar pipas e pandorgas
de vestir roupinha rude,
de jogar bolas de gude,
de correr descalço
atrás da bola de borracha
em partidas de pelada,
em campos cobertos de geada
tão comuns, nos invernos do sul
e voltar à tarde para casa
com as faces rosadas e suadas
apesar do frio que fazia,
a gente brincava
a gente corria,
e era um bocado daninho
saia caçar passarinho
pobres dos bichinhos
que nenhum mal nos fazia
e não entendo como aquilo
pudesse nos dar alegria...
Mas, que se pode fazer
além de se arrepender
pelas malvadezas praticadas,
pelas brincadeiras agitadas,
pelas vontades não realizadas;
Afinal, aquilo tudo é passado
não há como ser modificado,
mas deixou nosso peito marcado
por algo que não volta mais
as brincadeiras sadias, sem malícia
ruas seguras, sem crimes nem polícia,
sendo abundante o amor dos pais...
Foi bom. Muito bom!
Resta no peito a saudade
de um tempo bom de verdade
e esta, não precisa ser tombada
pois em nós está preservada
e não esqueceremos jamais!
 
* * * * *

SENTI... SEM TI
Lauro Kisielewicz
 
Senti tua presença,
olhei em volta e te vi
distante... pensativa... absorta...
estavas imensamente longe,
embora bem perto,
não sei ao certo,
se a dois ou três passos...
quase ao alcance
de meus braços...
Senti tua ausência...
Estando, como se não estivesses...
Olhando, como se não me olhasses...
Sorrindo, como se chorasses...
Enquanto eu, sem ti, via...
Vivias o que não querias...
e eu, nada podendo fazer,
a não ser orar e torcer
que superasses tudo,
que me deixasses mudo
ao assumir que me amas
e juntos bailarmos
levados pela emoção,
rodopiando pelo salão...
contagiando a todos
com esses sentimentos
que nos invadem a alma
e transbordam de nós
em tudo que falamos,
em tudo que pensamos,
em tudo que fazemos.

 **************

Perdas
Lauro Kisielewicz  =  ( 22/Jan/2.005 )

Entre lutas e conquistas,
que a vida nos impõe,
forçando situações
que nem sempre aceitamos,
reclamamos, relutamos
e nos pomos a combater,
sempre querendo vencer...

Em algumas delas,
mediante superação e esforços,
aparentemente ganhamos...
e inebriados comemoramos
o que pareceu-nos ser vitória...
e loucamente mergulhamos
no mar das ilusões
sofrendo depois, decepções...

Noutros tempos porém,
quando algo nos é tirado,
ficamos revoltados,
blasfemamos e lastimamos
pelo nada que ficou...
nosso pensar chega a ecoar
sem resposta convincente,
no imenso vazio que restou...
sem nos darmos conta do bem
que a poda sempre propiciou
às frutíferas árvores
que Deus em nós semeou!
Ao tempo certo,
todos frutificaremos!
 



Escrito por Anna Paes às 11:47 AM
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




UMA ALMA DENTRO DA OUTRA


Eu emprestei para ela minha coluna ereta,
mas era ela quem me  mantinha em pé...

Eu emprestei para ela os meus pés perfeitos,
mas era ela quem me fazia caminhar...


Eu emprestei para ela minhas mãos zelosas,
mas era ela quem conseguia tocar meu coração...


Eu emprestei para ela os sons da minha voz,
mas era ela quem rezava preces silenciosas...


Eu emprestei para ela os mais largos sorrisos,
mas era ela é quem me ensinava a sorrir ...


Eu quis emprestar para ela os meus olhos e meu mundo,
mas ela tinha outro mundo contido em seus olhos castanhos...


Enfim,
ela emprestou para mim suas asas cintilantes,
e eu a deixei voar para os braços de Deus.


Mellíss


(Minha homenagem à amiga Anna Paes e sua preciosa Aninha, menina-anjo)
Santos, 09/09/2011 - 07H30M


 



Escrito por Anna Paes às 04:39 PM
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Delírios

Delírios no Deserto
*Anna Paes*

Os sonhos se desfazem quando já não acreditamos que um dia fomos amados
...por um minuto apenas, mas amados realmente.
Aquela sensação gratificante de que somos lembrados com frequencia,
desaparece quando nenhuma linha chega, nenhum e-mail acontece!

Fica na areia  solta ao vento, no temporal do deserto,
todo o sentimento.
Eu dizia um dia:Não quero que me  peça em casamento...
Tudo flui de maneira irreparavel, os sonhos murcharam
Sem regas ficaram

Aconteceram  tormentas, os barcos sobre as águas, naufragaram!
Os camelos morreram de sede e o oásis secou...
Foi-se o sonho mais puro, o amor mais criança
Foi-se minha túnica,seu manto, rasgou-se com o vento
todas as cortinas, os véus!
Quebrou-se o vaso da Flor...

As tendas  vazias, solitárias, guardam apenas as lembranças
Perfumes exóticos pairam, ainda no ar!
Almofadas sujas de  amor, derramada sobre os tapetes
lágrimas de agora, quase secas, recém choradas!
Sonhos escoados..
Apenas a tumba  delirante me chama.

Foi-se o Poeta ao Deserto,
Murchou-se a Flor no Cerrado!

apagaram os rastros de seus pés?

Que história ainda tens a contar?
15/07/2011 - 16hs
As areias causticantes
fazem arder meus pés
quando busca incansável
se faz
Caminho qual beduino
Do rosto , os olhos abertos
descobertos e nada mais.
A caravana parte,
Direção ao sol por vezes
Em outras  rumo contrário
Sempre levando algumas
(historias)
Na volta...
Em que tempo existiu voce,
Entre o  amanhecer e o por do sol?
Senhor, vinde a mim!
Anna Paes


Escrito por Anna Paes às 04:14 PM
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]






ver mensagens anteriores